segunda-feira, 8 de abril de 2013

Sono é um dos piores inimigos do motorista


Sono e direção. Uma combinação perigosa e responsável por cerca de 30% dos acidentes de trânsito no Brasil, segundo dados da Confederação Nacional do Transporte (CNT).

Mesmo com os riscos evidentes que o sono pode trazer para quem está ao volante, muita gente ainda arrisca dirigir neste estado, principalmente na época das férias, quando as viagens são mais constantes.

“O sono é muito traiçoeiro. Aos poucos ele vai nos consumindo e a gente nem percebe”. É com a experiência de 18 anos trabalhando como taxista que Francisco Neto fala das dificuldades enfrentadas por quem resolve dirigir com sono. “Durante dez anos eu trabalhei à noite, rodava 24 horas direto, agora não consigo mais. O trânsito deixa a gente muito cansado. Taxista, quando tira um dia de folga, só quer saber de dormir”, conta.

Ele afirma que já viu motoristas escaparem de acidentes por muito pouco, exatamente por terem cochilado ao volante. “Já vi um carreteiro que vinha andando torto na pista, provavelmente estava quase dormindo. A sorte é que ele despertou e voltou a dirigir normalmente a tempo”, relembra.

Limite

Quem conhece bem as dificuldades de dirigir a noite e com sono é o caminhoneiro Apolônio da Silva. Há 11 anos na estrada, ele assume que já chegou a dormir enquanto dirigia. “Já cheguei a cochilar algumas vezes. Quando percebi, estava saindo da pista e só fiz retornar rápido”. A saída, nessas ocasiões, é tentar driblar o cansaço. “Quando isso acontece, eu tento parar e descansar, é quando sei que já estou chegando no meu limite”, diz.

Quando as viagens são longas, a dificuldade é ainda maior. O caminhoneiro apela para outras opções na tentativa de se manter acordado. “Quando vem alguém junto é bem mais fácil porque você vem conversando e isso ajuda a espantar o sono”.

Ele, assim como milhares de motoristas, também recorre ao famoso cafezinho. “Paro uns dez minutos, tomo um café, um energético. Dá para despertar um pouco e andar mais uns quilômetros”, conta Apolônio.

Os energéticos são um dos métodos mais utilizados por alguns condutores quando começam a ficar com sono. “Muitos motoristas tomam ‘arrebite’, que é uma mistura de remédio com refrigerante ou outra bebida. Mas isso é uma ilusão de achar que vai ficar acordado. Eu costumo dizer que para o sono só tem um remédio, que é a cama”, afirma Francisco.

De acordo com a neurologista Helena Feio, cada ser humano tem uma necessidade de sono, de acordo com a faixa etária. As crianças, por exemplo, precisam dormir mais que um adulto. “O mínimo que uma pessoa precisa é de 8 horas de sono por dia. Até 6 horas é tolerável, menos que isso a pessoa já começa a ter perdas no dia a dia”, revela.

Fadiga

Quando a pessoa não consegue dormir o necessário, o corpo começa a apresentar sinais de cansaço. “O organismo entra em fadiga e há alterações, como a atenção, que fica menor, os reflexos, que ficam mais lentos, e a concentração, que diminui bastante”.

No trânsito, isso pode resultar em acidentes. “Além de o motorista correr o risco de cochilar, ele vai estar menos atento e pode avançar sinais de trânsito. Como os reflexos vão estar diminuídos, ele pode não conseguir agir em situações de emergência, como desviar de buracos”, afirma.

A utilização dos remédios e energéticos também são totalmente contraindicados pelos médicos. “Essas misturas de remédios são estimulantes e fazem com que o organismo tenha necessidade de menos sono, mas não ‘recarrega as baterias’, só diminui naquele momento a sensação de sono. Isso mascara o cansaço físico, mas não o mental”, alerta.

Fonte: Diário do Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares